Política de Privacidade Como Anunciar
Filtrar por Semana de Gestação
Saúde da Mamãe
Reversão da laqueadura é alternativa para quem quer engravidar naturalmente

24 de Janeiro de 2019

Brasil tem a décima maior taxa de laqueadura do mundo, segundo dados da OMS

Reversão da laqueadura é alternativa para quem quer engravidar naturalmente

De acordo com um estudo do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), em 1986, a laqueadura representava quase 30% dos métodos contraceptivos usados no Brasil, ocupando o primeiro lugar no ranking. Em 2013, a esterilização feminina caiu para 19,2%. Entretanto, embora a taxa de laqueaduras tenha caído ao longo dos anos, um grande número de mulheres se arrepende desta solução definitiva de contracepção.

Para o ginecologista e obstetra Dr. Edvaldo Cavalcante, especializado em cirurgias minimamente invasivas, esse arrependimento tem relação com as mudanças nas dinâmicas dos relacionamentos afetivos.

“A laqueadura era muito comum nos 80 e 90, porque os casamentos duravam mais e a taxa de divórcios era menor. Outro ponto é que os casais costumavam ter dois ou mais filhos. Portanto, a laqueadura era uma decisão tomada com mais consciência”.

“Hoje, o número de pessoas que se separam e se casam novamente aumentou de forma significativa. Com isso, a mulher pode querer ter um filho com o novo parceiro e se arrepender pela escolha da laqueadura. Ou ainda se a mulher tomou essa decisão muito nova, quando tinha apenas um filho, por exemplo, também pode querer gestar anos mais tarde”, reflete Dr. Edvaldo.

É possível reverter a laqueadura?
A boa notícia é que graças aos avanços das técnicas cirúrgicas, a reversão da laqueadura, cujo nome médico é reanastomose tubária, tem se mostrado um método importante para reverter a esterilização feminina.

“O desenvolvimento e o aprimoramento das técnicas cirúrgicas minimamente invasivas, assim como a chegada da cirurgia robótica na área ginecológica, foram os pontos-chaves para transformar a reanastomose tubária em uma alternativa eficaz para engravidar em muitos casos. Principalmente quando a mulher não deseja passar por procedimentos como a fertilização in vitro (FIV)”, comenta Dr. Edvaldo.

Mulheres mais novas tem taxas de gravidez mais altas
Apesar da reversão da laqueadura ter ganhado espaço na medicina reprodutiva, há critérios que devem ser levados em consideração para realizar a cirurgia. “A idade da mulher é um dos principais, além da técnica usada para a laqueadura e o estado das tubas uterinas”, cita o ginecologista.

Uma revisão de 37 estudos sobre a reanastomose tubária, publicado no jornal científico Human Reproduction Update, mostrou que a taxa de gravidez após a cirurgia variou de 42 a 69%.

O estudo avaliou 10.689 mulheres. “Os pesquisadores apontaram que o único fator que afeta a concepção é a idade da mulher. Com o avançar da idade, menores são as chances de engravidar após a reversão da laqueadura”, comenta Dr. Edvaldo.

Um outro estudo, realizado com 6.692 mulheres, também publicado no Human Reproduction, apontou que a taxa geral de gravidez após a reanastomose tubária foi de 69%. Essa pesquisa também confirmou que mulheres com menos de 30 anos tiveram uma taxa maior de sucesso em engravidar, atingindo 88% das participantes.

Como saber se eu sou candidata à reversão da laqueadura?
O ideal é procurar um cirurgião ginecológico especializado na técnica de reanastomose tubária (reversão da laqueadura), preferencialmente um profissional com experiência em cirurgia com microscopia e em cirurgia minimamente invasiva.

“O médico irá solicitar diversos exames para avaliar se a cirurgia é ou não recomendada. Assim, cada caso é tratado de forma individualizada. Nem todas as mulheres terão a indicação para reversão da laqueadura”, encerra Dr. Edvaldo.

Vale lembrar ainda que a reversão de laqueadura não é coberta por nenhum plano de saúde, assim como não é realizada pelo sistema público de saúde. De qualquer maneira, o custo da cirurgia é relativamente menor quando comparado ao dos tratamentos de fertilização in vitro (FIV).

VAMOS COMPARTILHAR?

COMENTÁRIOS