Visitas restritas maternidade

Para proteger a saúde de mães e recém-nascidos, maternidades de todo o Brasil estão restringindo visitas. Em São Paulo, que já tem transmissão comunitária do vírus, ou seja, não se sabe mais quem está contaminando quem, o Hospital Albert Einsten restringiu a visita apenas para um acompanhante.

Em comunicado, eles disseram: “O Einstein recomenda a permanência do bebê no quarto com a mãe e visitação ou acompanhamento exclusivo do/da cônjuge.” Lá, os bebês da UTI Neonatal poderão receber visitas exclusivamente dos pais.

Demais pacientes pediátricos, UTI Pediátrica e Pediatria, será permitida a permanência de um dos responsáveis e a visita não simultânea do outro responsável”, diz comunicado.

Os acompanhantes também deverão ultizar máscara, avental e luvas, conforme oritentação da equipe e aderir integralmente à rotina de higienização das mãos.

Além disso, o hospital não recomenda a rotatividade de acompanhantes. O parceiro deve ficar junto por pelo menos 12 horas.

Em Goiânia, a Amparo Maternidade divulgou comunicado informando que cada paciente terá direito a um acompanhante, que, de preferência, fique do início ao final da internação. A recomendação da maternidade é de que não façam visitas às mamães que acabaram de dar à luz.

Também na capital goiana, a Ela Maternidade  divulgou medidas de restrição de visitas. Será permitida a presença de apenas um acompanhante. Acompanhantes com mais de 65 anos são contraindicados e também não é permitida a entrada no hospital de visitantes e acompanhantes com sinais e sintomas de gripe, bem como de pessoas que tenham viajado ao exterior nos últimos 14 dias.

Em casa

As visitas ao recém-nascido em casa também devem ser evitadas. Afinal, a imunidade de gestantes, puérperas e bebês é menor. Por enquanto, se você acabou de dar à luz deixe para receber amigos e familiares em outro momento. E para quem está morrendo de curiosidade de conhecer o bebezinho, use a tecnologia por meio de vídeo-chamadas.

Compreensão

Embora a maioria dos pais e futuros pais apoiem a mudança, alguns disseram sentir-se “de coração partido” e preocupados com a logística de visitas. “Entendo completamente isso, realmente entendo”, escreveu uma mãe no Instagram.

“No entanto, meu filho deve chegar em oito semanas de cesariana e, portanto, terei que ficar por quatro noites no hospital. Será angustiante não poder ver meu filho mais velho por esse período. Isso também fará com que meu marido não consiga passar muito tempo comigo no hospital porque vai precisar cuidar dele em casa”, disse outra mãe.

Com informações da Revista Crescer

Aproveite e confira também:

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *