Política de Privacidade Como Anunciar
Filtrar por Semana de Gestação
Beleza da Mamãe
Cirurgia plástica junto com cesárea, pode?

18 de novembro de 2019

Há contraindicações que além de trazer risco à mulher não proporcionam o resultado esperado

Cirurgia plástica junto com cesárea, pode?

A gravidez é um sonho de muitas mulheres e marca diversas mudanças principalmente no corpo das futuras mamães. Porém, após o nascimento do bebê, os quilinhos a mais, a flacidez e a gordura localizada podem permanecer, tirando o sono das progenitoras. Assim, a ansiedade de voltar ao mesmo corpo que antes da gestação é tão grande que muitas mulheres querem aproveitar a de cesárea para realizar também uma cirurgia plástica, como a abdominoplastia para retirada do excesso de pele.

Isso, aliado à comodidade de “aproveitar a mesma cirurgia”, até teria certa lógica se não batesse de frente com contraindicações que além de trazer risco à mulher não proporcionariam o resultado esperado, esclarece o cirurgião plástico, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, Dr. Antonio Bernardino.

“Após o parto, a mulher está em fase de regressão do inchaço da gravidez, regressão uterina, e sob efeito de alterações hormonais, com o corpo retornando ao estado normal. Dessa forma, qualquer intervenção nesse período não apresentaria resultados satisfatórios e traria mais riscos à mulher”, pondera. O especialista explica porque as cirurgias plásticas não devem ser realizadas no momento do parto ou no período pós-parto recente:

Riscos
Além disso, é sabido que o risco de trombose e infecção são maiores na associação de cirurgia plástica abdominal e ginecológica (nisso inclui-se a cesárea, a histerectomia, entre outras). “A trombose é a formação de um coágulo, geralmente nas veias das pernas, que se forma durante ou depois da cirurgia, por falta de circulação. Se esse coágulo for parar no pulmão, passa a ser chamada embolia, uma complicação potencialmente fatal”, ressalta o cirurgião plástico.

Recuperação
Outro fator importante é que a recuperação de uma abdominoplastia requer cuidados, como não carregar peso, não fazer esforços, ficar levemente curvada, o que tornaria a amamentação e os cuidados com o recém-nascido bastante difíceis e desconfortáveis. O tempo transcorrido para que a mulher possa realizar a cirurgia dependerá da avaliação criteriosa do especialista, que irá analisar cada caso de forma individual. Como regra geral, deve-se aguardar pelo menos 6 meses após o parto.

Resultados
Como abdominoplastia é uma cirurgia para retirar a pele e flacidez do abdômen, tem melhores resultados em pacientes no peso ideal e sem excesso de gordura ou inchaço. Lembrando que a grande maioria das pacientes não chega ao parto com peso ideal, mas sim em excesso. Ainda, a musculatura do abdômen após o parto também se encontra fragilizada e mais flácida devido à distensão, dificultando a avaliação do grau da plicatura (“costura”) do músculo a ser realizada. “Não há motivos plausíveis em associar a abdominoplastia e/ou lipoaspiração à cesárea, pois os riscos seriam maiores e o resultado pior do que se a plástica abdominal fosse realizada em tempos diferentes, com a paciente no peso ideal”, reitera o Dr. Antonio.

No tempo certo
Nos primeiros seis meses após o parto a preocupação da mamãe deve ser cuidar bem de seu bebê e de si mesma. Dedicar tempo ao filho, praticar atividades físicas, alimentar-se corretamente e hidratar bem a pele. Durante esse tempo, o corpo da mãe vai voltando a sua forma anterior à gestação. E caso ela tenha feito uma cesárea, irá se recuperar dela, afinal a cicatrização completa acontece com seis meses. Transcorrido esse período, a mãe poderá procurar um cirurgião plástico para avaliá-la e decidir qual a cirurgia mais indicada para remover gordura e flacidez do abdômen. Entre esses procedimentos estão a lipoaspiração e a abdominoplastia.

A lipoaspiração é um procedimento cirúrgico indicado para pessoas que têm um acúmulo de gordura localizada que não conseguem eliminar por meio da combinação de dieta e exercícios físicos. É importante ressaltar que a lipoaspiração não é um método de emagrecimento. Portanto, indivíduos com áreas de gordura no corpo, mas que se exercitam regularmente, são os melhores candidatos a esse procedimento, pois seu objetivo é melhorar o contorno corporal.

Já a cirurgia plástica do abdômen pode ser feita quando existe acúmulo de pele e flacidez apenas na barriga, sem que haja excesso de gordura. O procedimento reaproxima a musculatura abdominal afastada na gestação ou no ganho de peso. Também não é um método de emagrecimento. O procedimento tem apenas o objetivo de remodelar a região abdominal, sendo eficaz para pessoas que estão em boa forma, mas que têm aquela barriguinha saliente. É, inclusive, solução para retirar estrias que estão na região abaixo da cicatriz umbilical, juntamente com a pele e gordura que serão removidas na abdominoplastia.

VAMOS COMPARTILHAR?

COMENTÁRIOS